Peixe e frutos do mar: que tipo de vinhos servir?

Qual é o português que não gosta de um bom peixinho grelhado? 

Termos uma área costeira tão extensa tem deste tipo de vantagens, e o que podia ser melhor do que o combinar com um bom vinho... Mas qual? Fique a saber tudo.

 

Desta forma, combinar peixes e crustáceos com vinhos é um desafio divertido, que pode ser vencido se deixarmos de lado a cerveja e abraçarmos os belos espumantes, rosés e brancos disponíveis no mercado.

Um dos grandes desafios da harmonização é fazer com que tanto a comida quanto a bebida sejam valorizadas, assim é essencial considerar não apenas o peixe ou crustáceo que será comido, mas principalmente a sua preparação, o seu tempero e o seu molho.

Quando se fala por exemplo de uma açorda de camarão uma boa combinação são os vinhos brancos secos, pouco alcoólicos, serão bons para enfrentar a untuosidade de todos os ingredientes fortes e intensos.

Peixe com vinho tinto? 
Sim, pode ser uma combinação deste que feita correctamente. O bacalhau é um bom exemplo disso. Pode ser combinado com vinhos brancos intensos, mas fica perfeito com um tinto bem maduro. Mais uma vez, a preparação é que dita isso, se levar leite ou molho, os brancos serão mais adequados, mas se for grelhado, assado ou com legumes os tintos farão uma boa frente.

Poucas coisas na vida são mais agradáveis do que sentar-se na beira do mar, sentir a brisa no corpo e saborear um aperitivo. Para essas coisas simples, como camarões fritos, ostras e pequenos peixes panados, uma boa combinação são os vinhos frescos e aromáticos, sendo o Modestu's um bom exemplo disso.

Outra excelente opção para acompanhar peixes são os vinhos rosés, acompanham bem pratos temperados, mas em preparações mais tradicionais, como a caldeirada, os peixes na brasa e grelhados.

Talvez a maior dificuldade nas combinações de vinhos e peixes seja o facto de nem todos conhecerem os vinhos brancos e saberem distinguir as diferentes características entre eles, assim ficam com a impressão de que todos são leves e de sabor delicado.

Isso não é verdade. Um bom exemplo é o dos molhos brancos (com base de leite e manteiga) que são parceiros íntimos dos vinhos brancos de qualidade e, nesse caso, podem acompanhar os crustáceos, como a lagosta, os lagostins e os risotos com camarão, a sua acidez é perfeita para esses ingredientes, assim, quanto mais pesado for o prato, escolha vinhos mais encorpados. Até mesmo as massas com frutos do mar apreciam a companhia de vinhos refrescantes e com aromas sedutores.

O salmão acabou por conquistar muitos paladares, fazendo dele presença constante em muitos cardápios. Quando servido cru, em sashimis, pede a combinação de um espumante bruto, que deverá acompanhar bem todos os pratos da culinária japonesa, inclusive os famosos temakis.Uma combinação muito tradicional é a das sardinhas na brasa ou em escabeche que devem ser servidas com um bom vinho verde, fresco e com boa acidez. Mas, se for cozido, assado ou grelhado, o salmão fará bom par com um rosé de boa estrutura.

Share

Comments are closed.